Tributo ao grande humanista Manuel Dias de Abreu


Manuel Dias de Abreu, foi um grande brasileiro, inventor de uma radiografia do tórax que muito contribuiu para o diagnóstico e cura da tuberculose, possibilitando diagnosticar a doença em sua fase inicial.
Em sua homenagem, o invento foi denominado de abeugrafia e consiste na transferência da imagem para um filme fotográfico de 30 ou 70 mm que, com um custo muito mais baixo permitiu o seu diagnóstico precoce.
Mais do que comemorar a invenção, importantíssima pelos resultados obtidos, temos o propósito de reverenciar a memória do seu protagonista, ressaltando o seu gesto altruísta.
Ele se formou em 1913 pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, e, visando aperfeiçoar-se, foi para a Europa, ficando retido em Portugal por um ano devido aos intensos combates da primeira guerra mundial.  Já na França, trabalhou em vários hospitais, chegando a ocupar o Serviço de Radiologia da Santa Casa de Paris no ano de 1916.
De volta para o Brasil em 1922, ocupou-se nos anos seguintes a profundos estudos sobre a Radiologia, quando concebeu seu invento, viabilizado após várias tentativas e insucessos e apresentado pelo autor com o nome de Roentgenfotografia (fotografia de Roentgen ou fotografia de Raios-X); todavia, seu invento somente foi materializado em 1936 quando recebeu a encomenda do primeiro aparelho construído pela Casa Lohner.
Antes da abeugrafia a tuberculose ceifava muitas vidas porque não era diagnosticada na fase inicial e, devido à fácil transmissão do bacilo, causava fortes epidemias em várias partes do mundo, incluindo o Rio de Janeiro onde o inventor vivia.  
Sua iniciativa permitiu diagnosticar a doença ainda quando curável, ficando evidente a excelência da radiologia como eficaz ferramenta de diagnóstico.
Seu caráter humanista se evidencia ao abrir mão da patente do aparelho para que o exame se tornasse acessível à maioria da população e pudesse ser difundido com rapidez a fim de salvar inúmeras vidas, o que efetivamente ocorreu e, com a queda do custo e sua rápida vulgarização, permitiu fazer mais de 500 mil exames somente na Alemanha no ano de 1938.
Outro aspecto a salientar foi a quebra do estigma de que a tuberculose era uma "doença social" que atacava somente os pobres, devido à deficiência de nutrição.
Manuel Dias de Abreu chegou a ser indicado ao Prêmio Nobel de Fisiologia / Medicina no ano de 1946, e em 1958, o então Presidente Juscelino Kubitschek, reconhecendo seu altruísmo e contribuição humanitária, assinou o Decreto-Lei nº 42.984/58, instituindo o 4 de janeiro como o dia da Abeugrafia.
Este é o legado deste homem que superou todas as dificuldades e com esforço e dedicação, contribuiu efetivamente com seus semelhantes e portanto é merecidamente reverenciado como um humanista e benfeitor da humanidade..
Antonio Rocha Miranda